Milão 2018

Um dos maiores desafios dos profissionais que trabalham com a arte do morar, na atualidade, é contribuir para a construção de espaços mais humanos, acompanhando os diversos aspectos que fazem parte da qualidade de vida das pessoas. Soma-se a isso a habilidade dos designers de interiores de expandir o olhar para além da estética e de compor ambientes com um conjunto de elementos.
É no Salão do Móvel de Milão que, desde 1961, profissionais e marcas de diversos países podem buscar inspirações para solucionar desafios do setor de casa e mobiliário, além de equipamentos para a indústria de móveis. Também conhecido como Feira Internacional de Móveis, o evento surgiu com o objetivo de promover a exportação italiana de móveis e complementos, cuja qualidade é largamente reconhecida hoje em dia.
Entre as palavras-chave que mais representaram as tendências desse ano, a organização do Salão selecionou inovação, pesquisa, qualidade, flexibilidade, customização, personalização; elegância contemporânea, nova interpretação estética, materiais particulares e quentes, luxo palpável, não estridente, enriquecer com detalhes; fabricação artesanal, tema de contêiner, multifuncionalidade; referências ao passado, re-edições; soft efeito coccon; busca pela verdadeira essência; Design & Art; funcionalidade; ironia.
A presença de cores outonais, composição de diferentes materiais em uma mesma peça, veludo, formas esféricas nas luminárias e luz neon, o cobre e o granilite como materiais de destaque do móvel, mix de estilos onde observei muito a mistura entre eles e a predominância do estilo pop retrô. E assim foi a Semana de Design em Milão!


Comentários